Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

M A M A M I A

__________Liliana Azevedo | 27 anos | Assistente de Bordo | Mãe de primeira viagem de uma linda babygirl chamada Mia __________ Blog de Maternidade e Lifestyle | Dúvidas | Escolhas | Opiniões | Partilha

M A M A M I A

__________Liliana Azevedo | 27 anos | Assistente de Bordo | Mãe de primeira viagem de uma linda babygirl chamada Mia __________ Blog de Maternidade e Lifestyle | Dúvidas | Escolhas | Opiniões | Partilha

04.10.20

Licença de Maternidade


Verão 2020

 

IMG_20200909_161758.jpg

 

Para muitos ficar com um recém-nascido em casa é o mesmo que estar de férias, um bilhete para o espetáculo do buraco no sofá. 

Para todos os que ainda não experimentaram vou deixar a minha review.

Ainda não li nenhum livro. Nem comecei nenhuma série nova na Netflix. Não organizei os armários cá de casa. Nem dormi até ao meio dia. 

Nos primeiros meses, nós, mães, passamos o dia a tentar perceber porque está a criança a chorar e tudo o que fazemos demora eternidades. Mudar a fralda. Dar o biberão. Meter a arrotar. Mudar a roupa dela e a nossa cheia de leite. Voltar a mudar a fralda porque tem cocó. Dar colo. Tentar adormecer. Dar colo. Voltar a tentar adormecer. Adormecemos nós. Está na hora de comer outra vez. 

Assim que ela adormece fazemos o almoço. Com sorte dá para cozer uma massa ou fazer um pão com panado que vamos comer às 4 da tarde porque entretanto ela já acordou. 

As máquinas cá em casa não param de girar porque não vale a pena comprar muita roupa para um bebé e isso significa gavetas vazias ao segundo dia. 

A ida ao pediatra é igual a ir aos Óscares. 

Aqui em casa optamos pela licença parental inicial partilhada de 180 dias. Ou seja, depois dos meus 150 dias o pai irá ficar 30 em casa. 

Ter todos estes dias com a nossa bebé é ótimo. É super importante para os pais e para a bebé. Mas estes meses são os mais confusos que já vivi. 

Quando o pai da Mia começou a trabalhar foi impossível não ressentir o facto de ele poder voltar a ter um dia normal. Ele podia voltar a sair de casa, ter uma rotina, pensar noutra coisa, falar com outras pessoas. Mas ao mesmo tempo eu não queria sair de casa. Deixar a criança com a avó para ir às compras trazia todo um sentimento de separação. 

Nos dias em que estou mais cansada, ela mais rabugenta, a comida queima, não encontro a chupeta e tenho imensa roupa para passar penso que já falta pouco para ir trabalhar e pensar noutra coisa que não sejam fraldas e biberões. 

Nesses mesmos dias ela dá a primeira gargalhada, agarra o brinquedo preferido, começa a fazer bolinhas e sorri assim que me vê e tudo o que mais quero é não sair de casa e poder estar lá em todos os momentos. 

Mais alguém bipolar por aí?