Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

M A M A M I A

__________Liliana Azevedo | 27 anos | Assistente de Bordo | Mãe de primeira viagem de uma linda babygirl chamada Mia __________ Blog de Maternidade e Lifestyle | Dúvidas | Escolhas | Opiniões | Partilha

M A M A M I A

__________Liliana Azevedo | 27 anos | Assistente de Bordo | Mãe de primeira viagem de uma linda babygirl chamada Mia __________ Blog de Maternidade e Lifestyle | Dúvidas | Escolhas | Opiniões | Partilha

04.10.20

Acompanhante da Grávida


IMG_20201002_234413_451.jpg

O parlamento aprovou resoluções para que a grávida possa ser acompanhada nos diferentes momentos.

Foram precisos muitos anos em Portugal para se começar a falar no direito da grávida. Mas serão necessários mais ainda para se começar a falar no direito do Pai. 

 

Estávamos a ir lentamente, mas estávamos a avançar. O plano de parto. A possibilidade da mulher escolher o hospital em que queria ser seguida. A possibilidade de termos uma Doula para nos acompanhar. Os cursos de preparação para o parto que agora mais do que isso davam informações importantíssimas sobre a parentalidade, a mulher e o casal. 

 

E de um momento para o outro tudo isso deixou de ser importante. O Mundo voltou a uma "nova normalidade" e todos se esqueceram da anormalidade que estava a acontecer nas salas de parto em Portugal. 

 

Para mim o pai não é um acompanhante. O Pai é tão parte daquela vida como a mãe e merece estar lá para ouvir o primeiro bater do coração. Ouvir que está tudo bem. Fazer perguntas. Ouvir o primeiro choro. E amparar a mãe que acaba de passar por o momento mais lindo e mais desafiante da sua vida. 

 

Li muitos comentários, principalmente de mulheres, que diziam toda esta conversa ser absurda. Muitas tinham estado sozinhas há muito tempo atrás e por esse mesmo motivo se elas conseguiam todas conseguem. 

 

Claro que para acontecer um parto precisamos da mãe e do bebé. Claro que a mulher consegue, porque dentro dela há um amor mais forte. Claro que o bebé fica bem, tem o colo da mãe a bolha protetora à sua volta. 

 

Mas a mulher tem o direito de ter ao seu lado o pai ou qualquer outra pessoa que lhe traga a tranquilidade e o conforto que ela precisa. Alguém que lhe dê colo e lhe diga que vai ficar tudo bem. 

 

Eu fui uma privilegiada e tive ao meu lado o Pai da Mia em todos os momentos. E nunca, em 13 anos, o tinha visto a viver um momento tão intensamente. 

Para nós, mulheres, tudo vai ficando mais real a cada pontapé e a cada kilo que aumentamos. Mas para eles tudo é abstrato. Naqueles primeiros minutos em que cuidavam de mim, ele cuidou dela. E ali, formou num segundo, a ligação que o cordão umbilical não lhe deu. E nunca lhe vou tirar esse momento. 💛